12 de fevereiro de 2014

ROCK 74 CLUB: UMA NOITE COM O MELHOR E BARULHENTO METAL

Evento realizado na última sexta-feira contou com as bandas Lama Negra, Kill Bill e Audiokaos

Texto e fotos: João Messias Jr.

Audiokaos
João Messias Jr.
Uma noite dedicada ao metal desgraceira. É como podemos definir o saldo dessa última sexta-feira (7), no 74 Club, em Santo André, que recebeu as bandas Audiokaos, Kill Bill e Lama Negra, que fez o lançamento de seu primeiro álbum “full”. Para quem não conhece o local, situado na Vila Guiomar, é um estúdio de ensaios que tem dois ambientes: a parte de cima, que é um bar aconchegante para quem aprecia rock e metal e o piso de baixo ficam os estúdios de ensaio e que também recebem apresentações ao vivo. Já estiveram na casa nomes como Ação Direta, Forka, Negative Control, Giallos, entre muitos outros nomes do metal nacional e internacional.

A barulheira teve início às 21h50 com o Audiokaos. Do ABC paulista, o quarteto formado por Luciano (voz), Anderson (guitarra e backings), Alê (baixo e backings) e Coelho fazem um som que mescla o thrash, hardcore, crossover e punk rock, que fará a alegria de bandas como Tankard (primórdios), DRI, SOD e Leviaethan, principalmente pelo som cru e simples, mas com arranjos bem elaborados, como ouvimos em Insane Religion e Freak. Outro destaque nas canções são os backings feitos pela dupla de cordas, que dá mais pogo ao som. O set ainda contou com sons como The Enemy, Deadly Highways e Human Decadence, que encerrou o show.

Kill Bill
João Messias Jr.
Infelizmente, como o horário estava avançado e o 74 fica num bairro residencial e tem de parar com o barulho após às 23h, as bandas Kill Bill e Lama Negra tiveram de reduzir seus sets. Com um mix de thrash, crossover e alguns experimentalismos, o quarteto Kill Bill mostrou que é possível sim fazer um som pesado, violento e cheio de variações. Formado pelos experientes Bill Jr. (baixo, ex-Atroz e Mosh), Menno Amaral (guitarra, Expressão Regueira, Serial Funkers), Pedrunk (bateria, Agrotoxico, Anti-Climax) e Martin Moika (voz, ex-2 Minutes Hatred), em 15 minutos mandaram as músicas SSP, Anti Fé e Vingança, essa última a mais forte do set, pois mesclou brutalidade e experimentalismos. Uma ótima banda que merece ser vista mais vezes.

Lama Negra
João Messias Jr.
Já passavam das 23h quando o Lama Negra entrou no palco. Tiago Moreli (voz), Alex Coelho (guitarra, ex-Andralls), Anderson Veiga (baixo) e Rodrigo Rossi fizeram o show de lançamento de seu primeiro álbum full, que carrega o nome da banda. Donos de um thrash metal violento, mas com arranjos de guitarra bem elaborados e linhas mais intensas de baixo, além de um baterista que não tem dó de massacrar as peles e claro, tudo capitaneado por vocalizações quase vomitadas, cujas letras vociferadas falam da decadência do mundo que vivemos hoje.
O set mesclou músicas como Desgraça, Vítimas, além das clássicas O Que Sobrou do Inferno e Planeta Estúpido. Uma pena que já eram 23h30 e a banda teve de encerrar a apresentação, pois o som dos caras é um prato cheio para fãs do thrash cru, direto e sem firulas.

Uma bela noite de metal, que teve como aspecto negativo o pouco público. Ai me pergunto: será que essa situação não vai mudar? A impressão passada é que os ditos “redibaguers” preferem ficar nas jukebox da vida escutando as mesmas músicas manjadas de sempre do que conhecerem bandas novas. Uma pena.

Um comentário:

Eu por Eu mesmo ... disse...

Valeu pela força, pelo apoio as bandas underground que lutam para dar o melhor nos Show, realmente essa noite foi bem legal, todas as bandas mandaram muito bem, pequenas falhas acontecem e não é motivo para reclamações, perto do que foi o evento só tenho agradecer a todos e A crítica NO bLOG..grato a todos.
Alê(baixo)AUDIOKAOS