9 de setembro de 2015

WARSHIPPER: ÉPICO, PESADO E BRUTAL

Formado por veteranos da cena underground nacional, o hoje quinteto paulista mostra maturidade em seu primeiro trabalho, o EP Worshippers of Doom

Por João Messias Jr.

Warshipper
Divulgação
Bywar, Zoltar e Eternal Malediction. Bandas que entre erros e acertos, cravaram sua marca na história do metal nacional. Assim como todo grupo que atinge esse status deixa saudades, foi muito bem vinda a notícia que alguns integrantes das citadas formações uniram forças para um novo projeto.

Batizado de Warshipper, a banda formada na época por Renan Roveran (guitarra/voz), Rodolfo Nekathor (baixo/voz), Rafael Oliveira (guitarra) e Roger Costa faz bonito em Worshipper of Doom, primeiro registro do grupo. Unindo a variedade do death metal europeu, com toques de thrash e um bem vindo tempero épico, o trabalho conquista o ouvinte de imediato, mesclando aquela vontade de bater cabeça e ao mesmo tempo "entender" o conceito musical.

Into the Dystopia é uma intro que abre caminho para a faixa que nomeia a banda, que possui aquele lance de palco, perfeita para iniciar as apresentações. A seguinte, ... And the Darkness Calls possui guitarras inspiradas no metal tradicional, enquanto Theatrical Dissection possui riffs e levadas de baixo "sujonas", assim como vocais mais agressivos e um andamento mais thrash.

Autumn Mist é uma espécie de interlúdio macabro que dá o clima para Paranormal Connection, que chama a atenção pelos jogo de vocais e o clima épico. 

A reta final do disquinho vem com as duas versões para Absence of Colors. A primeira, The Obsolete que é mais direta, enquanto a "blackened version" é mais climática e voltada ao thrash, além de contar com os vocais de André Evaristo (Torture Squad).

Aliada a parte sonora, temos um bom acabamento gráfico, com cores definidas, todas as informações sobre o grupo, que recrutou  o vocalista Heverton Souza (Imperium Infernale, ex-Eternal Malediction), o que nos deixa ansiosos para novos trabalhos do hoje quinteto.