12 de março de 2013

UNSUN: DIVERSIFICADO E MELANCÓLICO


Trabalhos de banda polonesa unem a melancolia gótica com nuances pop

Por João Messias Jr.

The End of Life
Divulgação
No meio de tantos lançamentos que envolvem bandas com vocais femininos, o Unsun acabou passando batido por aqui. Ouvindo seus trabalhos, se percebe que mereciam uma escutada mais caprichada, ainda mais por saber que o quarteto possui em sua formação músicos que passaram pelo Vader, caso do guitarrista Mauser.

Junto com o guitarrista, a banda tinha em sua formação o baterista Vaaver, o baterista Henrich  e a vocalista Anna “Aya” Stefanowicz, que com sua voz de fada, diferencia o Unsun das outras bandas do gênero, pois foge do esquema lírico e usa a voz de forma natural.

O primeiro trabalho, lançado em 2008 , chamado “The End of Life”, começa muito bem, com a faixa “Whispers”, que possui muita energia, assim como Blind by Hatred, Lost Innocence On the Edge. Só que o trabalho possui momentos mais melancólicos como Bring Me to Heaven e Face the Truth, que esbarra no pop em muitos momentos e talvez por isso seja tão legal. Além das músicas, as vocalizações de Aya são cheias de emoção sem apelar para sussurros e pseudo guturais e Mauser surpreende pelo senso melódico utlizado nas canções. O único pecado do trabalho foi a produção que não se encontra a altura das músicas, pois embora não comprometa a audição, ficou muito direta, passando a impressão de que faltou algo.

Clinic for Dolls
Divulgação
Em 2010, a banda lança “Clinic For Dolls”, que é um salto de qualidade em relação ao debut, pois a produção “cheia e encorpada” possibilitou que os músicos explorassem seu talento, como o baterista Vaaver, que em muitos faz do seu instrumento um saco de pancadas, como na faixa título. Não é a toa que o cara foi parar no Destruction.

A cara pop aqui continua presente e unida ao talento do quarteto, possibilitou a criação de quatro clássicos: Time, Home, Mockers e A Single Touch, que fazem de Aya o maior destaque do trabalho. Embora eu tenha destacado essas canções, graças a produção agradável, o trabalho merece ser ouvido por inteiro, diversas e repetidas vezes.

Hoje a banda conta com outra formação, com o baixista Patryk Malinowski, o baterista Woytek Blaszkowski, além  dos remanescentes Mauser e Aya.

Ficamos na torcida para que em breve retornem com um novo trabalho e quem sabe, uma visita ao nosso país para algumas apresentações.

Vale lembrar que tanto “The End of Life”, como “Clinic for Dolls” foram lançados por aqui pela Shinigami Records.


Nenhum comentário: