29 de janeiro de 2014

FESTIVAL DE ARTES INTEGRADAS: CULTURA MUSICADA PARA A POPULAÇÃO

Etapa musical do evento contou com as bandas Ação Direta, DZK, Negative Control, Asfixia Social, Statues on Fire e Articulado

Texto e fotos: João Messias Jr.

Doutor Rock e Alex(Statues on Fire)
João Messias Jr.
Não é de hoje que o município de São Bernardo vem pavimentando um projeto sólido para a cultura em geral. E essa ação tem tudo para se consolidar ainda mais perante a população com a primeira parte do Festival de Artes Integradas, realizado no último domingo (19), no Parque da Juventude Città di Maróstica, mais conhecida como a “Pista de Skate de São Bernardo”.

Essa foi a primeira etapa do evento, que promete nos próximos meses proporcionar os munícipes com debates, palestras e claro, muita música, com nomes que vão do rock a MPB,  algo que a população deve incentivar, pois não é sempre que vemos eventos com esse porte e estrutura, que foi dada aos grupos Ação Direta, DZK, Negative Control, Asfixia Social, Statues on Fire e Articulado, esta que deu início aos shows às 13h.

Articulado
João Messias Jr.
Sob ás bênçãos do Doutor Rock, símbolo do estilo no ABC, o quarteto formado por Jefferson (voz), Rafael (guitarra), Norberto (baixo) e Rodrigo (bateria) faz um som que engloba referências diversas como Pennywise, Pantera, Rage Against the Machine e Offspring, que privilegia a energia, com uma boa dose de groove e certa melancolia.

Promovendo o EP Resgate, a banda mostrou um repertório variado, que teve como destaques as agressivas Estado de Coma e Obrigação, que também chamam a atenção pelos vocais discursados e a mensagem de conscientização. Infelizmente os caras não puderam ser vistos e ouvidos por muitas pessoas, pois nesse horário a rapaziada estava chegando ao local. Mas é um ótimo grupo que pode agradar desde thrashers aos alternativos.

Statues on Fire
João Messias Jr.
Já passavam das 14h quando o Statues on Fire iniciou seu set. Tendo em sua formação músicos que passaram pelo Nitrominds, como o guitarrista/vocalista André Alves e o baixista Lalo. Acompanham a dupla nessa nova empreitada o guitarrista André Curci (Threat, ex-Kamboja) e o baterista Alex. 

A combinação desses caras resultou num punk/hardcore cheio de melodias e passagens grudentas e perfeito para ser tocado ao vivo. Exemplos são a faixa-título, You can’t Tell the Reason e Phoenix, essa que também é o nome do primeiro CD da banda, que sai nos próximos meses.

Voltando a falar das canções, elas chamam a atenção pelos arranjos ricos e os vocais de André estão melhores que o de sua antiga banda, talvez pela motivação de estar começando algo novo. Vale dizer que em abrir os caras estarão em seu primeiro giro pelo velho mundo, ao lado de bandas consagradas do estilo, como o Bambix.

Asfixia Social
João Messias Jr.
Asfixia Social é o nome da terceira banda. Apesar do nome remeter à grupos extremos de punk/HC, o grupo formado por Kaneda (voz e instrumentos de sopro), Rafael (guitarra), Leonardo (baixo) e Alonso (bateria) faz uma música híbrida que mescla rap, reggae, ska, hardcore e algumas experimentações. O uso de instrumentos como sax e trompete chama a atenção, pois dá uma nova textura às canções, como pudemos ouvir em Compromisso Cerebral. Já Vaza Daqui, tem partes mais voltadas ao punk/HC.

Um dos destaques do show foi A Banca, que teve no palco personalidades de bandas da região, dentre elas, Barata (DZK), que gerou a primeira roda do evento. Opressor, com o uso de instrumentos de sopro, trouxe na lembrança bandas como Mighty Mighty Bosstones e Dog Eat Dog. Esse som também foi a saideira do quarteto.

Negative Control
João Messias Jr.
Às 16h30, o Negative Control iniciou seu show. Para quem não conhece, a banda possui 19 anos de estrada e atualmente é formada por Cláudia (voz), André (guitarra), Junior (baixo) e Pingo (bateria) mesclou no set clássicos como Fome, Pare e Pense, Rancor, cujo vídeo chegou a ser veiculado na MTV. 

A apresentação também apresentou as novas Guerreiro e Desocupação, que farão parte de seu aguardado terceiro disco, que sai nesse primeiro semestre.

Uma apresentação que agradou a todos os presentes, que além das rodas, proporcionaram o primeiro mosh da noite.

DZK
João Messias Jr.
Com mais de 30 anos de estrada, o DZK celebrou a festa do punk rock. Barata (voz), Flecha (guitarra), Charuto (baixo) e Macarrão (bateria), mesmo com alguns problemas no som e uma apresentação não tão forte, fizeram o público agitar muito. 

Sons como Somos todos Inocentes, Restos de Guerra e Onde Nós Estamos, fazendo o espírito revolucionário brotar (ou renascer) em muitas pessoas, mostrando o que é o punk rock de fato: ideologia e não um monte de garotos coloridos com roupas de grife desfilando nas grandes emissoras.

Ação Direta
João Messias Jr.
A festa teve encerramento às 18h50, com o Ação Direta. Gepeto (voz), Pancho (guitarra), Galo (baixo) e Marcão (bateria) mostraram que estão no melhor momento da carreira e fizeram um set um pouco diferente do habitual. Abriram com Entre a Benção e o Caos, do álbum de mesmo nome, além de Zeitgeist (World Freak Show), Paradoxo (Massacre Humano). Outra que chamou a atenção foi Fator Crucial, dedicada ao público adepto do “rolezinho”, que ao invés disso,  deveriam estudar e se conscientizar, além de Crueldade, que contou com Parmito (Forbidden Ideas) dividindo as vozes com Gepeto.

Pesadelo e Useless Complex deram números finais ao show, numa festa bonita, sem tretas e mostrou que quando o público quer, shows de rock e metal no ABC podem contar com galera em peso.

Aproveito para parabenizar a Prefeitura de São Bernardo, em especial o Departamento de Cultura por acreditar nas manifestações artísticas e culturais na região e que o público não faça bonito apenas nos shows de música pesada, mas no todo. Pois dessa forma, além de darmos um importante passo para a conscientização, futuramente influirá em boas escolhas em nossas vidas.

2 comentários:

ARTiCULADO som disse...

Parabéns, belo texto! obrigado por fortalecer a cena musical!

Grande abraço da Família Articulado

coffeeboy disse...

Belo trampo, mano! parabéns!