19 de julho de 2020

VIAGEM CLIMÁTICA E PESADA

Iranianos investem num mix de metal, prog e a cultura local em primeiro registro

Por João Messias Jr.


Mitra
Divulgação
Muitos questionam o fato das músicas dos grupos estarem disponíveis em plataformas como Deezer, Spotify e afins. Dessa forma, desencorajando o fã  a comprar o material dos grupos. 

Talvez essa facilidade, tenha deixado a galera mais preguiçosa e seletiva, o que os faz adquirir apenas o que realmente gostou. Mas, em contrapartida, dá a oportunidade para muitos de conhecerem bandas de todo o globo terrestre, com apenas alguns cliques. 

Um ótimo exemplo fica a cargo da Anoushbard. Vinda de um improvável Irã, possui três anos de estrada e no ano passado soltou seu primeiro material, Mitra. Fazendo um mix de prog e metal , polvilhado com muitos elementos da música de seu país. Sherwin Baradaran (vocal, guitarra), Siavash Motalebi (guitarra), Arman Tirmahi (baixo) e Sasan Soflaei (bateria) mostram que são exímios músicos, trazendo peso, climas e melodias nos momentos corretos, que apesar das músicas longas, não cansam o ouvinte.

Um exemplo fica por conta de Life Lady (Green Temple), dona de mais de dez minutos de pura viagem. The Ward é daqueles momentos que cativa de imediato, unindo partes mais lentas e melódicas que combinadas ao refrão de impacto e solos certeiros, fazem o crime perfeito. 

Gates of  Ctesiphon é outro momento longo do álbum, inicia voltada ao death/doom e ganha um clima caótico durante a audição. Já  The Ward, une belas melodias e vozes limpas enquanto o curto instrumental Haoma, une o clima do  oriente e viradas que beiram o death metal.

Apesar de muito bem feito e pensado em todos os detalhes, não é o som que vai agradar a todos os públicos dentro do rock e metal, em especial a galera que parou na década de 1980. Por outro lado, tem tudo pra cair no gosto de quem tem a mente aberta as mais variadas ramificações musicais.


Nenhum comentário:

FIDELIDADE

Novo trabalho do sexteto paulistano mantém a essência ao estilo que os consagrou Por João Messias Jr. Quem viveu a década de 1990/2000 vai s...